...................................................................................................................................


  HEMORRAGIAS INTESTINAIS


6.1 - A COLONOSCOPIA PODE SER USADA PARA ESTANCAR UM SANGRAMENTO DE ORIGEM COL�NICA?

Sim. Os m�todos de hemostasia c�lica mais difundidos e utilizados por colonoscopia s�o aqueles que utilizam fonte de energia t�rmica, dos quais destacam-se a eletrocoagula��o mono e bipolar, a sonda de aquecedor e a fotocoagula��o pelo raio Laser. Pode-se, tamb�m, utilizar subst�ncias hemost�ticas injetadas na submucosa do local de sangramento. Todos esses procedimentos requerem cuidados especiais, particularmente, nas les�es localizadas no segmento direito do c�lon, no qual a parede � mais fina e, portanto, apresenta maior risco de perfura��o.


Divert�culo com sangramento ativo


6.2 - QUAL O PAPEL DA COLONOSCOPIA NOS PACIENTES COM SANGRAMENTO DIGESTIVO BAIXO INTENSO?

Atualmente, as duas principais causas de sangramento digestivo baixo intenso, na idade avan�ada, s�o as doen�as diverticulares e as angiodisplasias, com tend�ncia a se considerar estas �ltimas como as mais importantes. Assim, ap�s afastar o trato digestivo alto como o local da fonte do sangramento exteriorizado pelo reto, a colonoscopia constitui-se num dos principais progressos no diagn�stico de condi��es patol�gicas do c�lon potencialmente hemorr�gicas. Ela estende o campo de exame a todo o c�lon, permitindo identificar as les�es que n�o podem ser observadas por outros m�todos, a ponto de crescer a tend�ncia de se iniciar a investiga��o da causa desse sangramento pelo exame endosc�pico do c�lon.


Sangramento intenso

Sangramento digstivo alto
exterioriza��o pela v�lvula �leo-cecal


6.3 - A COLONOSCOPIA SEMPRE FAZ O DIAGN�STICO DA CAUSA DA ENTERORRAGIA MACI�A?

Era de se esperar que a colonoscopia, durante um epis�dio de sangramento maci�o, pudesse esclarecer a fonte na maioria dos casos. No entanto, a complexidade t�cnica desse procedimento nessas circunst�ncias � muito grande, fazendo com que a maioria dos endoscopistas seja relutante em faz�-la, principalmente pela visibilidade prejudicada e pelo receio de perfura��o.
Contudo, nas m�os de profissionais experientes, com a devida cautela, paci�ncia, perseveran�a e determina��o, avan�ando apenas sob vis�o direta para n�o provocar nenhuma les�o iatrog�nica, a colonoscopia tornou-se um m�todo diagn�stico eficaz, fornecendo informa��es valiosas ao redor de 75% dos casos. Esses �ndices s�o maiores quando o exame for realizado num per�odo quiescente entre os sangramentos ou o exame for realizado ap�s o preparo do c�lon com Manitol a 10%.


6.4 - QUAIS S�O OS EST�GMAS ENDOSC�PICOS DE CERTEZA DA CAUSA D0 SANGRAMENTO?

O achado de uma les�o que n�o esteja sangrando ativamente � um dado importante, embora possa n�o ser a fonte do sangramento. Para o diagn�stico endosc�pico exato da fonte de sangramento, alguns crit�rios devem ser adotados: 1) presen�a de uma les�o com o sangramento ativo; 2) presen�a de co�gulo aderente � les�o, com sangue fresco ao redor; 3) presen�a do coto vascular, com ou sem sangramento ativo.


Divert�culo tamponado por co�gulo

Colite act�nica com sangramento difuso